quarta-feira, 12 de novembro de 2014

SANDRA

Você deve estar brincando, ela disse.
     Sandra estava tão bêbada que não conseguia levantar a bunda do sofá.
     Eu, em pé, na frente dela, com a calça arriada e o pau de fora, estava pronto para ser chupado.
     Carinhosamente eu disse que bastava chupar, o resto ficava comigo.
     Ela estava com os cabelos um pouco desgrenhados e o esmalte de suas unhas já não estavam mais íntegros.
     Tínhamos bebido muito e ela comumente apanhava do marido. Ela dizia não se importar, no fim das contas ele sempre colocava comida na mesa e o apartamento deles era dele. Ela não tinha pra onde ir. Todo mundo tem de ceder um pouco na vida, não é?
     Com certeza, eu disse.
     Ela segurou o meu pau e começou a chupá-lo. Era a melhor chupada que eu já tive; valia milhões de fodas e aquele filho da puta era um tremendo filho da puta de sorte.
     Caímos os dois no sofá e bebemos até a hora dela ir embora.
Postar um comentário