sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

minhas palavras
elas carregam o perfume
do teu sexo

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

CUIDE-SE

De manhã bem cedo, pouco antes de amanhecer, eu já estava arrumando as minhas coisas. Da janela era possível ver o jardim e parte da rua descendo na direção do rio.
— Você deve estar brincando — ela disse com o nenê nos braços, parada na porta do quarto.
— Você sabe que não — eu disse sem olhá-la.
— Que você vá para o inferno, então — ela disse. — Não sentiremos falta de você.
Continuei colocando as roupas de qualquer modo na mochila. Levaria o que desse.
— Filho da puta — ela disse. — Quer saber? Estou feliz por você ir embora.
No jardim, junto ao muro, havia um pequeno espaço no qual eu plantara meia duzia de pés de feijão. Eu disse a ela que logo teria de colher as vagens.
— Foda-se — ela disse.
— Cuide-se — eu disse.